sábado, 6 de julho de 2013

SÍRIA: ADOLESCENTE CRISTÃ FOI ESTUPRADA E ASSASSINADA POR 15 EXTREMISTAS MUÇULMANOS



                                Roma, 04 Jul. 13 / 04:11 pm (ACI/EWTN Noticias).-


                                                                               

Dois sacerdotes grego-católicos da Síria denunciaram à agência vaticana Fides a trágica história de 
Mariam, uma adolescente cristã que foi estuprada e assassinada por 15 extremistas islâmicos.
Segundo os sacerdotes identificados somente como Pe. Issam e Pe. Elías, Mariam tinha 15 anos de idade e morava em Qusari, a 35 quilômetros de Homs, Síria. Milicianos vinculados ao grupo jihadista muçulmano "Jabhat al-Nusra", conquistaram e ocuparam a cidade. Sua família pôde escapar, mas ela foi obrigada a contrair matrimônio islâmico.
O comandante do batalhão "Jabhat al-Nusra" em Qusair, casou com ela, a estuprou e depois a repudiou. No dia seguinte, a jovem foi obrigada a casar-se novamente com outro militante islâmico, que também a violentou e depois a repudiou.
Esta situação se repetiu durante 15 dias. Mariam foi estuprada e repudiada por 15 homens diferentes com devastadoras consequências físicas e psicológicas.
A adolescente foi classificada como uma demente e acabou sendo assassinada.
Fides recorda que através das redes sociais, difundiu-se na Síria "uma lei religiosa" emitida por Yasir al-Ajlawni - um xeque salafista de origem jordaniana que reside em Damasco-, que declarou lícito para os opositores ao regime do presidente sírio Bashar Al-Assad, o estupro cometido contra "qualquer mulher síria não sunita".
Segundo esta "lei religiosa", capturar e violentar mulheres alauítas ou cristãs, não seria contrário aos preceitos do Islã.
O Pe. Issam e o Pe. Elías denunciaram que "estas atrocidades não são contadas por nenhuma Comissão Internacional". "Quem irá fazer alguma coisa para proteger os civis, os mais vulneráveis?", questionaram.
A agência Fides, responsável por reunir a informação que recolhem os missionários de todo o mundo, sublinhou que a história de Mariam "é um sinal da brutalidade do conflito e da extrema vulnerabilidade das minorias religiosas" no país, submergido em uma confusa guerra civil há mais de dois anos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário